quarta-feira, 3 de março de 2010

¨¨O cheiro da morte¨¨


Por esses dias eu andei sentindo o cheiro da morte. Não foi nada demais, nada bizarro, aterrorizante ou mórbido.
Apenas um cheiro.
Aconteceu assim: eu, minha mãe e uma vizinha estávamos na sala tomando chimarrão comendo pipoca e assistindo 'Outono em Nova York' quando, de repente, minha mãe me olhou e disse: "vocês não estão sentindo um cheiro de morte?"
Não, nós não estávamos sentindo cheiro algum, não naquele momento. Pouco depois um ventinho leve entrou pela porta aberta refrescando aquele calor quase insuportável. Foi nesse momento que eu disse: "mãe, agora eu senti o cheiro."
Nossa vizinha não sentiu, mas ele estava lá. Eu não explicar como é exatamente o cheiro. É uma mistura do cheiro de uma pessoa morta, com flores e mais alguma coisa que não sei dizer o que seria. É basicamente como aquele cheiro que a gente sente quando entra em uma sala onde estão velando alguém. Aquelas salas sempre tem um cheiro estranho, não tem???
Eu não sei explicar muito bem porque só fui em um velório em toda a minha vida. Era o velório da minha avó. Eu tinha 12 anos. Eu lembro que a sala tinha um cheiro esquisito mesmo, mas para mim a morte dela teve mais cheiro de leite com nescau, porque quando meu tio chegou aqui em casa para dar a notícia, era isso que eu estava bebendo, então quando penso na morte dela, não lembro daquele cheiro de sala de velório, mas sim de cheiro de leite com nescau. Vai ver cada morte tem lá  seu próprio cheiro, ou talvez não tenha cheiro algum...
Mas que aquele cheiro de sala de velório andou aqui por casa, ah, disso eu não tenho dúvida.

***

Isso me fez pensar na vida, ou na morte, sei lá. Acho que pensei nas duas coisas, em como elas estão ligadas, em como tudo é tão pequeno, tão simples. Em como as coisas podem acabar em um simples piscar de olhos. E em como as pessoas ficam se lamentando por causa de uma coisa tão natural como a morte. Quer dizer, a gente passa a vida inteira sabendo que vai acabar, que sempre acaba, então, por que o drama nos velórios??? Eu acho de uma falta de respeito com o morto as pessoas ficarem durante horas olhando e chorando como se fosse o fim do mundo. Não que seja falta de respeito sentir dor, saudade ou uma melancolia enorme, nem o fato de chorar em si, mas o fato de chorar exageradamente, sofrer exageradamente, fazer tudo exageradamente (sendo que muita gente que vai em velório nem gosta do tal ser que é velado). Que ser humano gostaria que as pessoas ficassem chorando por sua causa??? Eu, definitivamente, não. Toda a minha família e os meus amigos sabem que quando morrer eu quero que doem os meus órgãos, depois façam um velório bem rápido (nada dessa história de as pessoas ficarem horas olhando pra mim e se lamentando) e mandem me cremar. Eu sei que é muito fácil falar, mas que na hora as pessoas não agem assim, mas é como deveria ser (pelo menos pra mim, e eu não sou a dona da verdade). Quem fica aqui tem que continuar vivendo, e eu sei que se eu morresse hoje teriam algumas pessoas no meu velório, pessoas que eu gosto muito e, ainda bem, eu consegui fazer amigos nesses, poucos, 21 anos de vida, e eu não gostaria de ver as pessoas sofrendo por mim.
Isso me fez lembrar de uma coisa que eu li em algum lugar, agora não consigo lembrar onde:

"Eu fiz um acordo de existência pacífica com a morte: nem eu fujo dela, nem ela corre atrás de mim.
Um dia a gente simplesmente se encontra."

Será que eu estou sendo fria??? Porque normalmente eu sou até bem emotiva (sentimental, dramática, chorona...), mas a morte é uma coisa natural, simples. Uma coisa certa, aliás, uma das poucas coisas de que a gente pode ter certeza.
Bem, o que eu queria mesmo saber é qual será o cheiro da minha morte. Sim, porque a minha morte não pode ter aquele cheiro de defunto misturado com flores e mais alguma coisa. Eu não quero flores no caixão não, acho horrendo. Quem quiser me dar flores, que dê agora (de preferência orquídeas e flores do campo).

***

Isso me fez lembrar que essa semana eu assisti (pela milésima vez) "A Sobrevivente". No filme  a personagem conta que, antigamente,  os cravos eram muito usados nos velórios para disfarçar o cheiro de putrefação, já que não se sabia ainda como preservar os cadáveres e essa flor tem um cheiro bem forte.
Não que isso interesse, foi só um comentário sem utilidade alguma.

***

Aliás, o post inteiro não teve utilidade alguma né... Só comecei a escrever sobre isso porque o cheiro que eu e minha mãe sentimos aqui em casa me deixou intrigada, pensativa (e meio doidona).

9 comentários:

  1. Credoooooooooooooooo

    Que medo.... nao abriu nenhuma floricultura por aí?

    Tenho medo do cheiro e da representação da morte.

    Gostei da nova roupagem do blog.

    bj

    ResponderExcluir
  2. é bom pensar que a morte é natural, porque é mesmo, mas há muitas pessoas que quando me "fugirem da vista" não consequirei pensar assim...

    quandto a esse cheiro é esquisito, mas há muita coisa com cheiro parecido.

    bom post!

    ResponderExcluir
  3. Agora que me dei conta de uma coisa estranha, eu nunca mais vi cravo em floriculturas... foram exterminados?

    Sabe pra mim qual é o cheiro da morte? CAMÉLIA. Não sei se pq antigamente era uma flor que tinha em todo canto e enchiam os velórios e os defuntos de camélias. Sempre que sinto o cheiro de Camélia digo que é o cheiro de morte.

    Eu às vezes arrepio e digo que a morte passou por perto... cada um tem um jeito de "ver" a dita cuja. Eu bão tenho medo, sou bem realista com isso, mas não gosto da idéia.

    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Eu não sei lidar com a morte, com a ideia do fim, de não mais ver as pessoas que amo...ainda não me acostumei, flor. =\

    Dois beijos, e tenha um fds perfumado e cheio de vida, viu?

    ℓυηα

    ResponderExcluir
  5. Também quero ser cremada no dia (espero que bemmmm distante) da minha ida deste mundo.

    Mas morreu alguém depois que vc sentiu o cheiro?

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. ai, medo disso... e de cheiro de vela também!

    ResponderExcluir
  7. OLÁ MENINA...DANDO UMA ANDADINHA BÁSICA NA INTERNET ME VI DE CARA COM SEU BLOG...GOSTEI DESSE SEU TEXTO SOBRE A MORTE. MAS O FATO É QUE
    REALMENTE "A MORTE" TEM UM CHEIRO DIFERENTE...VOCÊ TEM RAZÃO, O PIOR É QUE NÃO CONSIGO DESCREVER O CHEIRO....MAS QUE TEM, TEM...
    ISSO É UM FATO...rsrsrssss!!! UM ABRAÇO!

    ResponderExcluir