sábado, 9 de janeiro de 2010

¨¨Saudade¨¨

Essa semana sofri um acidente de percurso. Terça-feira teve ensaio da invernada lá no C.T.G. Na hora do intervalo eu consegui a incrível façanha de bater com a cabeça na quina de uma mesa. Ficou um galo enorme. Doeu, mas a cena foi engraçada. Tudo porque eu quiz cortar caminho e passar por baixo de um pau em vez de fazer a volta. Passei por baixo do pau e cortei caminho, mas também arranjei um belo de um galo roxo bem na testa. É nisso que dá ser preguiçosa.
Bem, pra piorar o Juliano está namorando uma prima que mora em Piratini, onde ele passou o natal. Imaginem como fiquei depois dessa novidade... acabada! Não tenho vontade de comer, não durmo direito. Ontem à tarde ele esteve aqui em casa. Devolvi umas coisas dele que tinham ficado comigo. Uma tristeza sem fim. Conversamos numa boa, apesar de ser louca por ele e querer desesperadamente que ele volte pra mim, não tenho mágoas. Ele não me traiu, não me enganou em momento algum, isso me conforta, mas não muito. Ele disse que vamos continuar sendo amigos e nos vendo, e eu vou continuar sempre com aquela velha esperança de que ele decida voltar a ficar comigo.
Isso tudo me fez lembrar de um texto da Martha Medeiros que eu adoro, então resolvi postar aqui.


A DOR QUE DÓI MAIS
Trancar o dedo numa porta dói. Bater com o queixo no chão dói. Torcer o tornozelo dói. Um tapa, um soco, um pontapé, dóem. Dói bater a cabeça na quina da mesa, dói morder a língua, dói cólica, cárie e pedra no rim. Mas o que mais dói é saudade.
Saudade de um irmão que mora longe. Saudade de uma cachoeira da infância. Saudade do gosto de uma fruta que não se encontra mais. Saudade do pai que já morreu. Saudade de um amigo imaginário que nunca existiu. Saudade de uma cidade. Saudade da gente mesmo, quando se tinha mais audácia e menos cabelos brancos. Dóem essas saudades todas.
MAS A SAUDADE MAIS DOLORIDA É A SAUDADE DE QUEM SE AMA. SAUDADE DA PELE, DO CHEIRO, DOS BEIJOS.SAUDADE DA PRESENÇA, e até da ausência consentida. Você podia ficar na sala e ele no quarto, sem se verem, mas sabiam-se lá. Você podia ir para o aeroporto e ele para o dentista, mas sabiam-se onde. Você podia ficar o dia sem vê-lo, ele o dia sem vê-la, mas sabiam-se amanhã. Mas quando o amor de um acaba, ao outro sobra uma saudade que ninguém sabe como deter.

Saudade é não saber. Não saber mais se ele continua se gripando no inverno. Não saber mais se ela continua clareando o cabelo. Não saber se ele ainda usa a camisa que você deu. Não saber se ela foi na consulta com o dermatologista como prometeu. Não saber se ele tem comido frango de padaria, se ela tem assistido as aulas de inglês, se ele aprendeu a entrar na Internet, se ela aprendeu a estacionar entre dois carros, se ele continua fumando Carlton, se ela continua preferindo Pepsi, se ele continua sorrindo, se ela continua dançando, se ele continua pescando, se ela continua lhe amando.

Saudade é não saber. NÃO SABER O QUE FAZER COM OS DIAS QUE FICARAM MAIS COMPRIDOS, NÃO SABER COMO ENCONTRAR TAREFAS QUE LHE SESSEM O PENSAMENTO, NÃO SABER COMO FREAR AS LÁGRIMAS DIANTE DE UMA MÚSICA, NÃO SABER COMO PREENCHER A DOR DE UM SILÊNCIO QUE NADA PREENCHE.

Saudade é não querer saber. Não querer saber se ele está com outra, se ela está feliz, se ele está mais magro, se ela está mais bela. Saudade é nunca mais querer saber de quem se ama, e ainda assim, doer.

¨¨

7 comentários:

  1. Sei que não há palavras que possam atenuar a tua dor.

    Mas não vou deixar de te dar um conselho: é o que você realmente quer? NÃO DESISTA!!!!

    Um dia uma amiga de net comentou que eu era uma pessoa persistente. Como não me acho, perguntei ela o porquê... ela respondeu que nunca, em toda a vida dela conheceu alguém que sabia exatamente o que queria e não parou até conseguir.

    Um dia, se quiseres, posso te contar minha história pelo MSN e te digo que, mesmo quando não havia mais nenhuma esperança e tudo sinalizava para um eterno adeus, eu desistia, mas só por alguns instantes. Então lembrava do que eu sentia e em nome desse sentimento, levantava a cabeça e seguia em frente. Ora recuando, ora calando, ora atacando. Mas desistir? Jamais!

    E eu consegui.

    Espero que você consiga também.

    Beijao

    ResponderExcluir
  2. Édna, de verdade? Eu não consigo ser amiga de ex, nem por decreto.

    E não se trata de ter ou não ter mágoa, sabe? Simplesmente não me sinto à vontade.

    Tomara que as coisas se ajeitem, vou ficar torcendo, aqui, por ti, viu, flor? ;)

    * Amo a Martha, também!

    Beijo, beijo.

    ℓυηα

    ResponderExcluir
  3. Passem no meu blog: http://certezasdeincertezas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Saudade dói demais...

    Flor, obrigada pelo carinho lá no blog, viu? Amanhã vou ver minha pequena, espero que ela já tenha se recuperado da perda do cãozinho.

    Beijocas!

    ResponderExcluir